encerrado [Resenha + Sorteio] Cartas de amor aos mortos - Ava Dellaira

28 de set de 2014
Cartas de Amor aos Mortos - Eva Dellaira
Editora: Seguinte
ISBN: 9788565765411
Ano: 2014
Páginas: 344
Classificação: 
Página do livro no Skoob / Compre!
Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky.
Resenha:
Há semanas venho remoendo cada sensação que esse livro despertou em mim. Todas as vezes em que tentei resenhá-lo, fracassei. Não sabia o que comentar primeiro, como se ainda houvesse algo a ser digerido por mim. A obra de Ava Dellaira até poderia ser mais do mesmo que estamos acostumados a ler. Mas não é. É maravilhoso. Imperfeito e brilhante.

Laurel é uma personagem insegura que cresce na narrativa e nos conquista pela fragilidade. Pela força e o modo como enxerga a vida. Pela coragem e medo. Laurel está em uma nova escola, com novos amigos, vivendo uma nova vida. Uma vida sem a irmã May. A pessoa que mais amava e ama no mundo. O ano letivo se inicia com um trabalho de inglês. Laurel deve escrever uma carta para alguém morto e entregá-la a professora - que realmente acredita que isso possa ajudar a garota a superar a situação trágica.

Todo o livro é narrado através de cartas, e esse é só um dos detalhes que fazem da obra algo lindo de se acompanhar. Mas Laurel não escreve para May, ela escreve sobre May. Uma extensão de si. Laurel não escreve para a irmã, que morreu em circunstâncias que são um mistério para o leitor até metade do livro. Laurel escreve para os ídolos que a inspiram, que morreram jovens e em circunstâncias variadas. Que fizeram parte de sua infância com May. Ela escreve para Kurt Cobain, do Nirvana, para Judy Garland, atriz de filmes musicais de Hollywood (lembram de O Mágico de Oz?), a poetisa Elizabeth Bishop, a rainha do rock 'n' roll Janis Joplin, a cantora soul Amy Winehouse, entre outros saudosos artistas.

É estupidamente bonito como a autora nos apresenta o relacionamento de Laurel e May através dessas cartas. É tocante acompanhar a forma como elas se entendiam, se protegiam e se amavam. Elas dividiam uma vida secreta, mágica. As cartas não são endereçadas a todos esses ícones apenas por eles estarem mortos, os questionamentos e dúvidas de Laurel à respeito da vida se relacionam intimamente com o histórico de cada um. A autora faz uma ligação. Uma ligação que conversa com o leitor. Ao mesmo tempo em que conhecemos detalhes sobre como foram as trajetórias de erros e acertos de Amy, Kurt e Janis, vivemos com Laurel seu passado e presente. Ava Dellaira faz especulações, reflexões, levanta dúvidas e interpreta situações e sentimentos. É tudo tão bem construído que as vezes, ao terminar o capítulo e Laurel se despedir, eu me via surpreso ao me dar conta de que tudo aquilo era uma carta. Uma carta tão cheia de dores, dúvidas e esperança que eu não entendia muito bem como era possível caber ali, no papel.

Os personagens da trama são outro ponto forte. Como Laurel se mudou de escola para evitar a piedade das pessoas, ela fez questão de não contar a ninguém sobre May. Sobre o passado e a noite em que ela morreu. Os novos amigos de Laurel não a conhecem por completo, pra ser sincero vamos perceber que ninguém se conhece de verdade.

Natalie e Hannah são melhores amigas que se amam. Elas rendem tantas emoções e momentos de tensão que as considero tão protagonistas quanto Laurel. A descoberta sexual das duas é linda. Aliás muito mais que sexual, elas se descobrem juntas, quem realmente são quando estão juntas. E como não poderia faltar um romance para guiar Laurel e a estória, temos o inacessível e discreto Sky. Não vão faltar momentos estranhos e segredos obscuros. Quem disse que os problemas adolescentes são bobos? Juntos eles vão sentir o mundo. Abraçá-lo. E vão se sentir bem com isso. Ou não. Talvez demore e não seja fácil. Nunca é.

A família de Laurel está despedaçada - e não estou falando apenas no sentido emocional -, no sentido físico-geográfico também. A mãe de nossa protagonista saiu de casa afirmando precisar de um espaço. De um tempo só para ela. Longe da mãe, Laurel divide seu tempo entre a casa do pai e da tia. A culpa e a raiva andam de mãos dadas, é de longe um dos aspectos mais densos do livro. Não há distância que amenize a dor do abandono.

Não existe perfeição, essa é de forma gritante uma das mensagens mais fortes do livro. Até o mais lindo, talentoso e promissor astro do rock pode desabar a qualquer momento. Muitos deles desabaram. Se apagaram e foram brilhar em outros céus. Será que não foram fortes o bastante? Ou pelo contrário, foram fortes demais? De quanta força precisamos? Se mede? Se julga? A beleza repousa no fato de ter existido. De existir. Estar aqui e atribuir valor. Desistir e persistir. Cartas de Amor aos Mortos é o tipo de livro para ser relido incontáveis vezes.

"As histórias mudam conforme crescemos. Às vezes elas fazem mais sentido. Eu queria escrever uma nova história, em que Hannah fica só com Natalie, May volta pra casa e eu nunca tento ser como ela, mas fiz tudo errado." Trecho da página 223.

Em parceria com a editora Seguinte, o Omd está sorteando um exemplar do livro. Para participar você deve comentar nesta resenha com Nome + Email, e preencher o formulário abaixo:

Obs:
- O livro será enviado pela editora Seguinte
- A promoção encerra-se dia 08 de Novembro
- Será apenas um sorteado.

Boa sorte!

0 comentários:

Postar um comentário

Não esqueça de dar sua opinião nesse espaço.Seu comentário é muito importante.
O QUE ACHOU DESSE POST?

Resenhas

Alien - Alan Dean Foster
A tripulação da nave Nostromo é despertada antes do tempo de seu sono criogênico. Misteriosos sinais vindos dos confins do espaço são recebidos pelo computador de bordo, e a equipe é acionada para...
Star Wars: Um Novo Amanhecer - John Jackson Miller
Desde os terríveis acontecimentos em STAR WARS - Episódio III: A vingança dos Sith, quando todos os Jedi foram perseguidos e condenados à morte, Kanan Jarrus tem...
Eu, Robô - Isaac Asimov
Eu, robô reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo, e que contêm em suas páginas, pela...
Nosferatu - Joe Hill
ictoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa...

RESENHAS MAIS LIDAS

LEIA MAIS

Resenhas

Só por Hoje e para Sempre - Renato Russo
Entre abril e maio de 1993, Renato Russo passou vinte e nove dias internado numa clínica de reabilitação para dependentes químicos no Rio de Janeiro. Durante...
Espinho de Prata - Raymond E. Feist
Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, o mais jovem...
Roleta Russa - Jason Matthews
Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de...
A Desconhecida - Peter Swanson
Uma história sombria, em uma atmosfera romântica e um quê de Hitchcock, sobre um homem que fora arrastado para uma trama irresistível de paixão e assassinato quando um antigo amor reaparece em uma noite de...

MAIS LIDAS

LEIA MAIS