Quando apita os 45 do segundo tempo

10 de set de 2017
Era um dia de sol, desses que a gente olha para as árvores e enxerga uma dança. Um balanço que te convida pra perto. Era um dia em que respirar não doía, não pesava, não exigia. Era um dia bonito. Eu lembro da sensação de estar correndo, chutando uma bola. Levantando a poeira do chão de barro batido. A posse da bola era minha e havia dois times atrás. O que eu fazia parte e o adversário. Aquele era o meu momento. Eu tinha nove anos e nas costas algo a provar. Não por querer, mas necessidade. Chutei a bola, mas o goleiro agarrou. Não fiz gol, nem história. Eu lembro do tempo parar, dos gritos cessarem e do professor de educação física rir incrédulo do que tinha acabado de acontecer.

Eu havia perdido ou eu havia conquistado alguma coisa no final das contas?

É normal pensar em desistir. Cogitar deixar para lá, cessar os esforços. Dar um pause naquela música que não sai da sua cabeça, mas de alguma forma não é a trilha sonora para o momento. Por que já passou. Simples assim. É normal desistir. Voltar-se para outros caminhos. Mudar o foco. Sou ruim em muitas, muitas coisas, mas sou bom em outras mil. Sou ruim em tudo que não tentei, não gosto de tudo que nunca provei e me rendo a tudo que me fez feliz. Quando um avião cai levando embora vidas, sonhos e futuros que nunca existirão, ele também leva um pouco de todo mundo que não estava no voo. É uma tragédia, uma catástrofe. Tão ruim quanto não arriscar, não se entregar, não se doar ao jogo.

A vida para quem não embarcou segue. A vida para quem não fez o gol de desempate nos acréscimos do segundo tempo também segue. E segue bem rápida. Tirando jogador de campo e convocando os reservas.

Receio aparentar prepotência por falar tanto da vida como quem já presenciou guerras mundias, publicou livros sobre elas e descobriu curas para lástimas devastadoras, mas eu não consigo não tirar minhas próprias conclusões. Se as aulas de educação física me provaram que eu realmente não nasci para o futebol? Sim. Essas aulas também mostraram um jeito de seguir em frente com os sapatos sujos de lama, os joelhos ralados e uma fama de perna de pau. É tudo um teste, uma tentativa e um item a mais ou a menos na lista. É sobre o que você quer e não quer. Sobre qual time jogar e onde vestir a camisa.

Pois existirão dias de sol, desses que a gente olha para as árvores e enxerga uma dança. Dias em que respirar não vai exigir nada porque você vai estar no caminho certo. No balanço certo dos convites certos. Nem que seja nos 45 do segundo tempo.

0 comentários:

Postar um comentário

Não esqueça de dar sua opinião nesse espaço.Seu comentário é muito importante.
O QUE ACHOU DESSE POST?

TERROR

Jantar Secreto - Raphael Montes
Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de...
Jogos Macabros - R. L. Stine
Conhecido mundialmente por seus livros de terror e suspense, com centenas de milhões de exemplares vendidos, R. L. Stine desponta no cenário da ficção juvenil pela genialidade na criação de enredos sinistros...
Psicose - Robert Bloch
O clássico de Robert Bloch, foi publicado originalmente em 1959, livremente inspirado no caso do assassino de Wisconsin, Ed Gein. O livro teve dois lançamentos no Brasil, em 1959 e 1964...
Nosferatu - Joe Hill
Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa...
O Vale dos Mortos - Rodrigo De Oliveira
Com passagens por Brasília, Estados Unidos, China e França, O Vale dos Mortos baseia-se na profecia de que um planeta intruso ao sistema solar, ao raspar por nossa...

FANTASIA/ POLICIAL

LEIA MAIS

ESPECIAIS ♥

Juntando os Pedaços - Jennifer Niven
Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar...
O Livro de Memórias - Lara Avery
Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível.E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença...
Simon vs. a agenda Homo Sapiens - Becky Albertalli
Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da...
Quando finalmente voltará a ser como nunca foi - Joachim Meyerhoff
Isso é normal? Crescer entre centenas de pessoas com deficiência física e mental, como o filho mais novo do diretor de um hospital...
Eu Te Darei o Sol - Jandy Nelson
Noah e Jude competem pela afeição dos pais, pela atenção do garoto que acabou de se mudar para o bairro e por uma vaga na melhor escola de arte da Califórnia...

POLICIAL

LEIA MAIS