[Resenha] A Primavera Rebelde - Morgan RHodes

18 de fev de 2015
A Primavera Rebelde - Morgan Rhodes (#2)
Editora: Seguinte
ISBN: 9788565765275
Ano: 2013
Páginas: 424
Depois que o rei Gaius de Limeros conquistou as terras de Auranos e subjugou o povo sofrido de Paelsia, passou a dominar toda a Mítica com seu punho de ferro. A rica população de Auranos parece não se importar com o novo governante, desde que seus privilégios sejam mantidos; os paelsianos, como sempre, aceitam seu destino de exploração. Mas a tranquilidade é só aparente - grupos rebeldes começam a surgir nos reinos dominados, questionando as mentiras e os métodos sangrentos do novo rei. Enquanto isso, Gaius obedece à sua mais nova conselheira e dá início à construção de uma estrada passando pelas temidas Montanhas Proibidas. Mas essa via não servirá apenas para interligar os três reinos - ela faz parte de uma busca pela magia elementar, perdida há mil anos, que conferirá ao tirano um poder supremo. O que ninguém esperava era que essa obra desencadearia uma série de eventos catastróficos, que mudarão aquelas terras para sempre e forçarão Cleo, Magnus, Lucia e Jonas a tomar decisões até então inimagináveis.


Resenha por Carlos Cavalcanti:
Depois de presenciar toda uma guerra, muito sangue sendo derramado, explosões, e muitas outras coisas que aconteceram na batalha entre o Rei GaiusDamora e o Rei CorvinBellos além de uma derrota humilhante, tudo no livro 1 da série Queda dos Reinos, chegamos ao segundo volume onde, posso afirmar com certeza, muitas mortes vão rolar solta (tanto esperadas quanto não esperadas).

Mas vamos lá, Cleo(filha do rei Corvin, de Auranos) é presa e forçada a casar com a pessoa que ela mais odeia no mundo – depois, é claro, do Rei Sanguinário –; Magnus (filho legítimo do rei Gaius, de Limeros) meio que fica bajulando o pai para ganhar a confiança dele mas se vê numa posição complicada quando começa a discordar das atitudes violentas do rei; Lucia (filha adotiva do rei Gaius e da rainha Althea) depois de fazer uma demonstração mais que pública de seus poderes entre numa espécie de “coma” que lá pela metade do livro começa a passar e quando ela acorda está praticamente uma outra Lucia e por fim Jonas (um paelsiano que antes “trabalhava” para o Chefe Basilius e o rei Gaius) voltasse contra o novo rei de Mítica e forma uma aliança rebelde para tentar tirar o Rei Sanguinário do poder.

Em meio a tantas reviravoltas, sequestros, tentativas de assassinato etc, etc, os destinos desses quatro jovens continuam entrelaçados – agora mais do que nunca –. A profecia sobre os elementia nunca foi tão importante quanto está sendo agora, depois que mil anos se passaram e finalmente tudo está começando a fazer sentido para quem realmente acredita nela: uma feiticeira mortal apareceu e um anel que é a chave para controlar a Tétrade – quatro cristais representando os quatro elementos que criaram o próprio mundo – foi encontrando.

O que há de novo nesse segundo volume? O Rei Sanguinário, guiado por sua nova conselheira, decide construir uma estrada que ligará os três reinos de Mítica. Pelo menos é isso o que os cidadãos – facilmente enganados – acham. O propósito real dessa construção vai mais além do que simplesmente unir Mítica e tem a ver com a busca pela Tétrade perdida. O que eu achei interessante, foi que ao longo da construção, que por sinal é banhada em sangue, acontecem três eventos totalmente inesperados que mudam ou moldam o curso dos destinos dos personagens.

Falando em personagens, temos alguns novos na trama: Lysandra, uma rebelde paelsiana que procura fazer justiça; Príncipe Ashur Cortas, do Império Kraeshiano, que demonstra um interesse particular pelo anel e pelas lendas de Mítica – além do que ele muito me lembrou OberynMartell lá pelo final do livro – e uma vigilante imortal chamada Melenia (OMD! Que vaca!).

O estilo de escrita de Morgan Rhodes tem me deixado louco para saber o que acontece com os jovens, mas não apenas isso, tenho aprendido – de novo – a não gostar de nenhum personagem. Por que todo mundo ou sofre ou morre ou é enganado ou é traído? E seguindo o mesmo estilo do primeiro livro, A primavera rebelde termina com uma aliança inesperada (mas que meio que já era esperada ou pelo menos desejada), deixando muitos acontecimentos apenas para o terceiro livro da série. Vale muito a pena a leitura dessa série, mas apenas para citar uma coisa que me chamou muito a atenção nessa edição além da capa, do mapa de Mítica e da lista nova de personagens foram alguns errinhos muito bem visíveis que me deixaram com uma cara de “WTF?”, então se você é extremamente maluco – falta de palavra melhor – com isso, tente deixar passar.



Carlos Cavalcanti, graduando em Letras (Português e Inglês) pela UFRPE, tem 20 anos e uma idade mental de pelo menos uns 800, com muito exagero. É apaixonado por livros e leitura e ainda sonha em escrever, ou quem sabe traduzir, algum romance (que não seja piegas). Gosta, sobretudo, de distopias, ficções, fantasias, suspenses e todas as leituras que prendem o leitor da primeira à última página do livro. 

0 comentários:

Postar um comentário

Não esqueça de dar sua opinião nesse espaço.Seu comentário é muito importante.
O QUE ACHOU DESSE POST?

Resenhas

Alien - Alan Dean Foster
A tripulação da nave Nostromo é despertada antes do tempo de seu sono criogênico. Misteriosos sinais vindos dos confins do espaço são recebidos pelo computador de bordo, e a equipe é acionada para...
Star Wars: Um Novo Amanhecer - John Jackson Miller
Desde os terríveis acontecimentos em STAR WARS - Episódio III: A vingança dos Sith, quando todos os Jedi foram perseguidos e condenados à morte, Kanan Jarrus tem...
Eu, Robô - Isaac Asimov
Eu, robô reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo, e que contêm em suas páginas, pela...
Nosferatu - Joe Hill
ictoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa...

RESENHAS MAIS LIDAS

LEIA MAIS

Resenhas

Só por Hoje e para Sempre - Renato Russo
Entre abril e maio de 1993, Renato Russo passou vinte e nove dias internado numa clínica de reabilitação para dependentes químicos no Rio de Janeiro. Durante...
Espinho de Prata - Raymond E. Feist
Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, o mais jovem...
Roleta Russa - Jason Matthews
Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de...
A Desconhecida - Peter Swanson
Uma história sombria, em uma atmosfera romântica e um quê de Hitchcock, sobre um homem que fora arrastado para uma trama irresistível de paixão e assassinato quando um antigo amor reaparece em uma noite de...

MAIS LIDAS

LEIA MAIS